POR ONDE ANDA A MODA HIP-HOP?

Dos subúrbios de Nova York às passarelas, o movimento tem ganhado cada vez mais espaço quando o assunto é moda

Ao falar sobre moda é necessária a reflexão acerca do caráter identitário, representativo, resistente e emancipatório que o simples ato de se vestir impõe. Com a combinação de roupas, acessórios e penteados, o movimento hip-hop construiu sua identidade e suas modelagens, cores, texturas e peças afloraram dos subúrbios negros e latinos de Nova York e espalharam-se pelo mundo todo.

Em entrevista ao Universa, a jornalista nova-iorquina e autora do livro “Free Stylin’: How Hip Hop Changed the Fashion Industry” Elena Romero explica que antes da comercialização do rap as tendências giravam apenas em torno da população branca. Para criar coleções os estilistas buscavam inspiração nas ruas, mas, até a década de 80 a população urbana não era reconhecida como público. “O hip hop foi revolucionário porque forçou a indústria da moda a reconhecer o poder dos afro-americanos e dos latinos como consumidores”, afirma.

Elena também explica que ao longo da história a moda e a música sempre andaram lado a lado: “do tango, jazz, rock and roll, disco ao funk, a juventude vestiu uma roupa que correspondia à música que ouvia. “Mas o que diferenciou a geração hip hop das outras é que a moda era influenciada e criada por pessoas do próprio movimento e tornou-se elemento essencial para expressar o que ele simbolizava: a resistência”.

O movimento, que começou em Nova York, se espalhou pelo mundo todo e até hoje inspira arte, como é o caso de Rogério Pereira, CEO da marca Malokero. Desde criança o estilista mostrava vocação para o desenho, então somou isso à paixão por moda e deu origem à Malokero, que tem como inspiração o hip-hop e o rap nacional: “a minha marca se assemelha muito à manifestação das letras de rap, nós somos protesto, nós somos resiliência”.

As tendências

O look hip hop poderia ser composto por vários elementos. Calças e jaquetas de couro preto, chapéus Fedora pretos ou chapéus Kangol, correntes e tênis Adidas. Boné de beisebol ou chapéus (e às vezes até outras peças de roupas) usados ao contrário, uniformes de basquete sobre camisetas e jeans (sempre) largos. Tudo isso permitia a identificação dos sujeitos pertencentes ao movimento, caracterizavam o típico vestuário hip-hop.

Atualmente a influência da moda hip hop é forte. Muitos elementos fazem parte das atuais tendências: jeans, coletes, jaquetas, jaquetas college, bonés de aba reta, sneakers de salto alto – tendência inesquecível do ano de 2012 – e até mesmo os atuais croppeds. Se antes a moda hip-hop circulava os becos do Bronx e do Brooklin, bairros de Nova York onde o movimento tomou vida, hoje ela anda pelas passarelas e, cada vez mais, toma conta das ruas.

Talvez o rapper norte-americano Kanye West tenha sido o primeiro a lançar – oficialmente – uma coleção inspirada no streetstyle do movimento hip-hop na Semana de Moda de Nova York em 2015. Mas é impossível negar que as influências dessa cultura ainda não haviam aparecido no mundo da moda. No ano seguinte, o hip-hop caminhou pelas passarelas brasileiras a partir da iniciativa dos rappers Evandro Fióti e Emicida com a coleção da Laboratório Fantasma na São Paulo Fashion Week.

Pryscilla Galvão, estudante de Relações Públicas e colunista do coletivo Black Panther DNA, conta que apesar de não usar, acha linda a mistura da moda de rua com alta costura. “Mas o rolê de você estar com uma camiseta de um grupo de rap e uma pantalona, por exemplo, equilibra bem e acho que combina comigo e com o meu corpo. A moda dentro do hip-hop vai muito por identificação”, explica.

Desfile Laboratório Fantasma Rafael Chacon : Fotosite
Coleção Yasuke da Laboratório Fantasma para o São Paulo Fashion Week em 2016. Foto: Rafael Chacon / Fotosite

 

Representatividade

Já diria a eterna primeira-dama norte-americana Jackie Kennedy, “uma vez que você pode se expressar, você pode dizer ao mundo o que quer dele” e, quando a moda se une ao hip-hop, esse efeito se potencializa. Pryscilla, que também fez parte da equipe de comunicação do maior evento gratuito de hip-hop da América Latina, a Semana do Hip Hop, explica: “passar mensagem por aquilo que você veste é um negócio muito louco, e dentro do hip-hop é meio que a marca registrada”.

E é pensando em reproduzir mensagens e trazer representatividade que a AfroPerifa nasceu. Willian André, designer afro futurista da marca, conta que o que não pode faltar nas produções é qualidade por um preço acessível e, é claro, representatividade: “a moda hip-hop vem se tornado mais forte na questão da representatividade, o povo preto vem sendo bem representado e está entendendo mais sobre representatividade”, disse em entrevista.

Com esse mesmo intuito de ocupar espaços e gerar a representatividade, a Laboratório Fantasma tem unido o hip-hop a muita diversidade e os levado até as passarelas – palavra que até então era desconhecida nos desfiles brasileiros. Na música Yasuke, o rapper Emicida faz questão de ressaltar: “fiz com a passarela o que eles fez com a cadeia e com a favela… Enchi de preto”.

As tendências inovadoras e revolucionárias trazidas pelo hip-hop desde o início do movimento reforçam a mensagem que essa cultura quer passar: o protesto. Se ele nasceu lá em Nova York como movimento de revolta e como forma dos jovens negros e latinos norte-americanos de comunicar sua realidade por meio da arte, hoje, no mundo todo, ele não só se mantém como movimento sociocultural como também traz representatividade e esperança a jovens da periferia. E a moda hip-hop é, de forma geral, uma forma de ver e ser visto, de se aceitar e de se expressar.

Sobre a importância dessa cultura, Rogério é direto: “o hip-hop conta o nosso árduo dia a dia em melodia, e eu faço moda voltada a esse estilo por que eu não tenho o direito de deixar isso morrer, precisamos sempre exaltar quem sempre lutou por liberdade e igualdade mesmo quando não tínhamos, e se hoje está melhor é por que alguém cantou que não estava bom lá atrás.”

Além da moda

O que se observa hoje em muitas marcas que fazem moda hip-hop é a tendência a serem mais do que apenas marcas que produzem moda. Embora em perspectivas diferentes, a Malokero e a AfroPerifa são bons exemplos disso. A marca fundada por Rogério tem focado também nas produções audiovisuais fazendo clipes e curta-metragens. Para o próximo ano, a Malokera irá lançar a coleção cápsula “Tokyo,” com clipes que contarão com a trilha sonora baseada no movimento hip-hop da cidade japonesa.

Enquanto isso, a AfroPerifa tem se tornado uma produtora de jovens talentos dentro da comunidade, produzindo MCs, poetas e até artistas visuais. Sobre os objetivos para o futuro da marca, Willian é direto: “é trazer a produção dos pretos periféricos para que eles possam se reinventar através da nossa visibilidade e levar pros nossos aquilo que o sistema não oferece”.

 

Por Bianca Furlani e Gabriela Silva

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s