Mercado controverso de games no Brasil

Realidade do desenvolvimento nacional e recepção dos jogos brasileiros

Por Bárbara Pungi Villela e Tomio Komatsu

Em meio à crise, os gamers procuram alternativas para se manter no mercado de trabalho, ou mesmo estão cautelosos na hora de escolher qual carreira seguir. E para quem gosta de games, trabalhar com desenvolvimento de jogos eletrônicos não é mais um sonho distante e para poucos, como nas décadas passadas. Pelo contrário, trabalhar nesse setor é lucrativo e acessível.

De acordo com a Newzoo, a principal agência de levantamento de dados no setor de videogames, a indústria fechou o ano de 2016 movimentando US$ 99,6 bilhões, números que só aumentam a cada ano, e com perspectiva de crescimento garantida para até, pelo menos, 2019. Só o Brasil contribui com US$ 1,6 bilhão em 2016, ainda segundo a agência; com essas cifras, o país passa a ser o líder do setor na América Latina, tendo o México em segundo lugar, com US$ 1 bilhão.

Imagem 1
Renda Global de 2016, dividida por regiões. Imagem: Newzoo

O governo brasileiro demonstra interesse em investir na área, mesmo que ainda a passos curtos. Como principais exemplos, é possível encontrar a Lei Rouanet, do Ministério da Cultura, que apoia e auxilia no desenvolvimento de projetos nacionais, inclusive games, e apoiou o recentemente aclamado jogo brasileiro Toren. Outro setor que demonstrou recente interesse na indústria de games é a Ancine com seu programa “Brasil de Todas as Telas” que, em 2016, teve seu primeiro edital voltado para a produção de conteúdo audiovisual de jogos eletrônicos.

Imagem 2
The Crown Stones: Mirrah, jogo em desenvolvimento pela equipe brasileira Frater Studio. Imagem: Divulgação.

Outro fator que contribui para olhar mercado nacional de games com outros olhos é o aumento considerável de produtores nacionais nos últimos anos. De 2008 a 2016, o Brasil teve um salto de 600% no número de estúdios que desenvolvem games, segundo a Associação Brasileira dos Desenvolvedores de Jogos Digitais, a Abragames.

Na teoria, os números, dados, projetos e promessas animam. Mas como seria, na prática, produzir um game no Brasil, país que coleciona os impostos mais altos do mundo, incluindo os videogames?

Made in Brazil”

Embora os números sejam animadores e o governo demonstre ares acolhedores aos desenvolvedores brasileiros, não há nada que possa desmentir quem já está inserido nesse mercado, e sente na pele as dificuldades do cotidiano no desenvolvimento de games no Brasil.

Jogo Toren, da gaúcha Swordtales. Vídeo de Lucky Salamander

Para Alessandro Martinello, diretor de arte da produtora gaúcha Swordtales, conta que seu primeiro projeto, Toren, ficou um ano em desenvolvimento sem nenhum tipo de incentivo, e conseguiu posterior apoio da Lei Rouanet como produto cultural somente após ser premiado em eventos internacionais diversas vezes. Murilo Franco, bauruense diretor de arte da Frater Studio, conta que, para driblar a falta de incentivo financeiro, está organizando um projeto de financiamento coletivo (crowdfunding, com plataformas como o Kickstarter) para conseguir finalizar seu game, The Crown Stones: Mirrah.

Jogo The Crown Stones: Mirrah, do Frater Studio, equipe composta por um bauruense, um cearense, um brasileiro nos EUA e dois indianos. Vídeo: divulgação

Os desenvolvedores precisam lidar também com a receptividade de seus produtos, tendo como maior desafio, os próprios brasileiros. Alessandro conta que seu maior desafio com Toren foi fazer o público brasileiro aceitar um jogo independente 3D, considerado um tabu até hoje no país, por ser, muitas vezes, um projeto de alto custo e que pode afetar diretamente em sua qualidade. Murilo, por outro lado, é mais otimista. “Se o game é divertido e tem qualidade, não importa de onde ele vem”. O diretor artístico da Frater Studio ainda conta uma vantagem de se criar games no Brasil: “Se compararmos com o resto do mundo, a concorrência aqui ainda é baixa, então o custo benefício de um projeto financiado aqui dentro ainda é bom.”

Origem não importa mesmo?

A opinião dos consumidores brasileiros acerca dos jogos nacionais não é das melhores. Para o gamer Paulo Ziro, de Leme-SP, se o jogo é bom, tem respaldo internacional, independente de sua origem. Paulo conta ainda que há dois tipos de preconceituosos, “os que acham o jogo ruim só por ser brasileiro, e os que acham que o jogo não pode sofrer críticas muito duras por ser brasileiro.” Para Eric Alcantara, de Curitiba-PR, esse mercado não é expressivo. ”Não jogo e nunca joguei nada brasileiro, não sou muito interessado e não acho que sejam competitivos [com o mercado internacional]. Porém, se me derem algo do tipo para testar, eu jogo, e é difícil eu não gostar.”

Rodrigo Felix, de Pelotas-RS, também demonstra claro desinteresse por produções nacionais: “não me lembro quando foi a última vez que joguei algo nacional. Na verdade, não sei nem se cheguei a jogar alguma coisa. Lembro que apenas uma vez em tive certa curiosidade de um game brasileiro pelos seus aspectos técnicos, mas acabei não indo atrás também.”

Imagem 5
Horizon Chase, premiado jogo de corrida da gaúcha Aquiris. Imagem: Divulgação

Rafael “Nóia”, editor chefe do site jornalístico de games bauruense O Player 2, explica esse fenômeno de desinteresse dos brasileiros pautado em dados mercadológicos: “Temos muitas produtoras nacionais que apresentam jogos com excelência técnica, como Chroma Squad, Odallus e Horizon Chase. Isso deixa o mercado nacional a nível competitivo com grandes títulos de empresas de pequeno e médio porte no exterior, como Hotline Miami, Gone Home ou Never Alone. Contudo, como ainda é um mercado em desenvolvimento e ainda sem um grande estúdio (em termos físicos e tecnológicos, não em capacidade técnica e artística) que possa investir milhões de dólares em um grande projeto, o mercado brasileiro ainda está longe de competir com grandes empresas que possuem muito capital, aparato humano e tecnológico e um marketing pesado, como uma Rockstar com seu Grand Theft Auto, por exemplo” – e são, justamente, os títulos de grandes empresas que roubam a atenção não apenas de brasileiros, como a maioria dos consumidores de games no mundo.

Imagem 6
Chroma Squad, outro jogo premiado, da brasileira Behold Studios. Imagem: divulgação

A rede varejista de games Arena Games aponta outro agravante para o desenteresse do grande público em relação a produções nacionais: “Temos jogos produzidos no polo industrial de Manaus, mas são jogos feitos lá fora. Jogos feitos mesmo no nosso território nacional não são comercializados como esses jogos grandes, vindos de fora. Infelizmente, as grandes empresas não dão oportunidades. E a gente sabe que pro cara conseguir isso ele tem que investir muito. É complicado. Eu gostaria de ter esse tipo de produto aqui na loja, mas muitas vezes são apenas comercializados em “mídia digital”. Não havendo a possibilidade de termos em loja física.” Conta Diego, proprietário da unidade Bauru-SP da loja.

Na incubadora

Imagem 7
Knights of Pen and Paper, da brasileira Behold Studios. Sucesso internacional. Imagem: divulgação

Com profissionais e produtos mundialmente reconhecidos, mas impedidos de evoluir em território nacional, conforme a tendência dessa indústria por insuficiência no investimento e apoio de seu próprio país, o mercado brasileiro de games se vê como uma grande incubadora, que sabe de seu potencial, mas não sabe quando verá o dia em que vai andar com as próprias pernas. As produtoras brasileiras precisam de criatividade não apenas na hora de desenvolver um jogo, como também na hora de conseguir capital para seus projetos. Investimento por parte do governo existe, mas não proporcional ao crescimento desse mercado. Enquanto isso, cada vez mais produtos e profissionais são exportados para outros países, ao tempo em que o Brasil é dominado por produtos estrangeiros – como em quase todos os outros setores.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s