As mãos de mulheres moldam uma nova economia

A confecção de produtos com linha é um dos carro-chefes do artesanato no Brasil (Créditos: Ana Flávia Cézar)

Artesãs reafirmam a cultura local e geram renda enquanto constroem suas identidades

Ana Flávia Cézar e Marina Kaiser

O potencial econômico das atividades culturais e criativas ainda é pouco explorado nas terras brasileiras. Tão popularmente conhecido, “o jeitinho brasileiro” é inventivo por si só. As gambiarras, o se virar com pouco, as startups, os microempreendedores, os negócios de fundo de quintal: essa economia que gira em torno da criatividade e da sustentabilidade é uma tendência econômica mundial e o Brasil está neste circuito.

Chamada de Economia Criativa, esse setor valoriza os serviços e bens com potencial individual e coletivo que são produtos culturais. O termo Economia Criativa é  recente, surgindo pela primeira vez em 2001 e nasceu da ideia de unir o fomento das artes com a preservação da herança cultural e reconhecimento local.  A produção e comercialização dentro da Economia Criativa incentiva a vivência grupal, a experiência coletiva de tomada de decisões, o acesso à educação e a ocupação dos espaços públicos.

Os estados que possuem maior participação nesta indústria das ideias são São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal . Em estudo realizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Sistema FIRJAN) dentre as 27 unidades da Federação, 18 mantiveram ou aumentaram a participação do PIB Criativo no período 2013-2015, o que consolida a Indústria Criativa como área estratégica, com visão disseminada por todo o país.

firjan
Créditos: Sistema Firjan – Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil/2016

Abaixo, estão descritas todas as atividades que este setor engloba e agrega:

huhuh
Créditos:  UNCTAD (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento)/Relatório de economia criativa 2010

O artesanato

Artesanato é o nome dado a trabalhos manuais não industrializados, que fogem da produção em série, feitos de matéria prima natural ou reciclada pela artesã ou artesão. Essa forma de arte é um dos setores que integra e economia criativa e de acordo com o Portal Brasil, movimenta R$ 50 bilhões de reais por ano.

Segundo Saul Martins, escritor do livro Contribuição ao Estudo Científico do Artesanato, apesar da história assinalar a presença de objetos a mão em todas as épocas e em diversas culturas, desde do polir pedras até tecer fibras de vegetais, é apenas recentemente que o artesanato passou a ser chamado por esse nome.

A partir da década de 1990, por meio do Programa Artesanato Brasileiro (PAB), é possível notar o desenvolvimento desse setor econômico. O objetivo principal deste programa era gerar trabalho, renda e melhorar o nível cultural, profissional e econômico dos artesãos brasileiros. Foi devido a suas ações que o artesanato se consolidou no Brasil e se tornou um importante setor da economia.

Artesanato
Outra forma popular do artesanato é a produção de bijuterias com produtos naturais (Créditos: Ana Flávia Cézar)

Fora a movimentação monetária, o artesanato serve como um modo de estimular a identidade cultural de uma região e/ou país, porém não é o mesmo que um souvenir. Além de difundir a cultura local, o artesanato preza pela originalidade entre as peças, tornando um item exclusivo e não algo facilmente encontrado – quanto mais distinto e inovador for, mais seu valor cresce.

Por ser um setor da economia que está ligado à criatividade, ele se enquadra dentro da economia criativa. De acordo com a Secretaria da Economia Criativa (SEC), criada pelo Ministério da Cultura, a maior distinção entre a economia criativa e os setores tradicionais vem da análise do processo de criação e de produção, e não da matéria prima e/ou propriedade intelectual de bens ou do serviço criativo.

O artesanato está presente em mais de 64% municípios brasileiros e envolve mais de 8 milhões de pessoas, o que em 2013 representava 2,6% do PIB nacionalUma pesquisa sobre economia criativa e empreendedorismo, focando no artesanato de Florianópolis, em Santa Catarina, aponta que as maiores motivações para a realização do artesanato estão relacionada às habilidades manuais, à uma maneira de manter a saúde (física e mental) e como terapia ocupacional, assim como funcionar como fonte de renda, manter o convívio social, entre outras. A pesquisa também mostra que metade de seus entrevistados vêm de famílias que trabalham com o artesanato, podendo então ser algo que influencia sua atividade.

Conheça o artesanato típico de cada estado brasileiro e espalhado pelo mundo.

As mulheres

De lá para cá, o ofício do artesanato ganhou novos materiais, produtos e setores do comércio. E, ainda assim,  ainda restam vestígios de uma tradição de ofício masculino e feminino. A linha e o tecido são mais utilizados por mulheres enquanto materiais mais brutos como o couro, ouro, bambu são melhor recebido por homens. Para Neli Maria Fonseca, agente cultural, “nós temos a questão cultural do homem trabalhar com a linha. Na época dos alfaiates, havia costureiras, mas os alfaiates faziam exclusivamente roupas para homens. Muitos deles não tinham nem funcionárias mulheres. Com raras exceções em escolas, em que se desenvolve o trabalho manual por meio do artesanato, há o contato de meninas e meninos com a linha”.

De acordo com pesquisa do Portal Brasil publicada no último Dia Internacional da Mulher, o empreendedorismo feminino cresceu 34% nos últimos 14 anos. Além disso,  quatro em cada dez lares brasileiros são chefiados por mulheres, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Dessas, 41% são donas de negócios próprios. A maior parte destas mulheres empreendem em suas próprias casas e, neste modelo, o artesanato torna-se um meio de geração de renda e autonomia financeira.

A artesã Isa Biondo, 47, diz que “conheço 1000 mulheres que fazem artesanato e não mais que 10 homens que costuram”. Para ela, que vive desse ofício, faltam cursos na área. “Tem muita gente que vê tutorial na internet e acredita que o artesanato é sobre copiar peças em vez de criar suas produções originais”. Isa ministra cursos para iniciantes e diz que há uma alta procura, “vem muita gente para tratar depressão, síndrome do pânico…e quem quer se profissionalizar. Eu dou curso desde 2008 e trabalho com artesanato desde 2000”.

Quem são as mulheres que fazem artesanato?

Ivonete Crochês
Ivonete Ferreira da Silva, 49 anos. “Comecei no artesanato quando fiquei desempregada, em 2012, e minha renda vem toda daqui. De 2014 para cá, com a crise, ficou ainda mais difícil viver disso” (Créditos: Ana Flávia Cézar)
foto3
Suely Santos, 59. “Homem pode fazer artesanato, até porque tem vários tipos, é um trabalho manual” (Créditos: Ana Flávia Cézar)
foto4
Larissa Vieiralves, 27. “Comecei no artesanato há pouco tempo, quando fiquei desempregada. Sou formada em Arquitetura, mas resolvi fazer um trabalho mais criativo” (Créditos: Ana Flávia Cézar)
foto5
Maria de Lourdes Pereira, 58. “É um negócio familiar, meus netos ajudam a vender e a entregar e eu também faço bolos, mas não consigo viver só da renda do artesanato. Vendo mais por encomendas e pela internet do que pela exposição em feiras. Estou em grupos de artesãos em que divulgo o meu trabalho e em grupos de venda online. Antes a venda era boca a boca, mas hoje a internet facilitou muito o processo” (Créditos: Ana Flávia Cézar)
foto1
Maisa Adrielle da Silva, 27 anos. “O artesanato é coisa de família. Meu pai e minha mãe são artesãos. Acho que a escolha pelo artesanato é mais que uma questão de homem e mulher, vai muito do histórico de cada pessoa e do estilo de vida que a pessoa quer ter” (Créditos: Ana Flávia Cézar)

 O grupo Arteiras do Geisel conta com cerca de 30 mulheres que trabalham com crochê do bairro da região leste da cidade de Bauru, no Núcleo Geisel. O projeto existe há 10 anos na Biblioteca Ramal e foi iniciativa de Paula Luciano de Souza, 77, e Rita de Fátima Rodrigues, 62, que conseguiram autorização da Prefeitura Municipal de Bauru para ocupar o espaço. O trabalho por lá não conta com professores, cada uma transmite o conhecimento que possui para a outra e a produção e aprendizagem ocorre pela troca. “Nós somos amigas, trocamos receitas e não temos regras: quem precisar ir embora antes, pode ir. Quem sabe fazer tapete, ensina a fazer tapete, quem sabe fazer roupa, ensina isso e por aí vai”, explica Paula.

As crocheteiras não comercializam as suas peças porque a maioria vê o artesanato mais como terapia que profissão, como conta Lavínia Macedo, 54, autônoma. A maioria das mulheres que frequenta o Arteiras trabalha formalmente como funcionárias públicas em escolas, autônomas ou auxiliares ou são aposentadas. No entanto, algumas mulheres do grupo unem suas forças para frequentar feiras e exposições de Economia Criativa e Artesanato vivendo da renda de suas produções. É possível comprar as peças produzidas pelas crocheteiras na Biblioteca Ramal do Geisel.

Segundo Neli Fonseca, o artesanato é praticado mais largamente por homens e mulheres em cidades que o artesanato é o carro-chefe da economia, como Ibitinga-SP (Capital Nacional do Bordado), Inconfidentes-MG (Capital Nacional do Crochê), Tracunhaém-PE (Capital do Artesanato em Cerâmica).  Neli ainda explica que o artesanato aplica a Lei dos Saberes e Fazeres em que o conhecimento se dá pela transmissão oral a partir da troca de experiências entre gerações na manutenção da cultural local.

Autonomia e Empoderamento

Culturalmente, na história do mundo ocidental, o trabalho se diferencia entre manual (mulher) e intelectual (homem). Em artigo intitulado Mulheres e artesanato: um “ofício feminino”,  Vera Lucia Barbosa, mestre em em Psicossociologia de Comunidades e Maria Inácia D’Ávila, professora  da Universidade Federal do Rio de Janeiro, apresentam que “a divisão sexual do trabalho com artesanato se dá pela característica do ofício, sendo ele ‘feminino’ uma vez que está atrelado a ‘delicadeza’ do fazer minucioso e sendo um complemento ao orçamento, o princípio hierárquico”.

Bonecas artesanato
Bonecas em tamanho real produzidas por uma de nossas entrevistas (Créditos: Ana Flávia Cézar)

No artigo, Vera e Maria Inácia explicam que os objetos produzidos pelo artesanato são, muitas vezes, representações físicas com significados sociais e simbólicos, carregando  em si boa parte da cultura de uma sociedade.“A desvalorização do artesanato na civilização ocidental seria justificada pelo fato de que as ideias são mais duráveis do que os materiais. Contudo, o projeto é inseparável do desempenho, o que denota a inteligência das mãos. Neste sentido, seria possível afirmar que o fazer das mãos está inseparavelmente ligado ao pensamento e, assim, às construções sociais que  o determinam”, completam.

Há 10 anos a Rede Asta atua no empoderamento da mulher artesã e de seu pequeno negócio por meio de treinamentos, formação de redes de produção e criação de canais de venda online e em lojas físicas no Rio de Janeiro. “São produtos com histórias, feitos à mão com muito talento”, explica a sócia-fundadora Alice Freitas. O empreendimento conta com 974 artesãs produzindo itens sustentáveis a partir de materiais reaproveitados (2,3 toneladas em 2013 e 797 kg em 2014). “São mulheres guerreiras que estão transformando suas realidades e as comunidades onde vivem com seu trabalho e determinação”, finaliza Alice.

Produção, distribuição e comercialização  

O processo produtivo do artesanato é algo delicado, uma vez que é preciso balancear a produção e a demanda de produtos diferenciados e feitos manualmente. É necessário que a escolha e compra dos materiais para sua produção seja feita, procurando o material adequado para o tipo de produto a ser feito, assim como é preciso que haja equilíbrio entre o dinheiro gasto para a produção e o dinheiro recebido pelas vendas, para que a artesã ou artesão não saia prejudicado.

A artesã ou artesão precisa escolher qual (ou quais) produto irá fazer para poder comprar (ou produzir) o material, seja ele barro, bambu, sementes, linhas, entre  outros, porém se atentando ao fato de que, por ser uma produção manual, o trabalho será mais lento, assim como prestar atenção na relação entre oferta e demanda que existe no ramo artesanal escolhido.

Artesanato
Trabalho em crochê exposto na feira de Economia Criativa em Bauru (Créditos: Ana Flávia Cézar)

A venda dos produtos é feita entre produtor e o consumidor ou através de feiras ou mercados. Em lugares onde o sistema patriarcal ainda é muito presente na sociedade, as mulheres responsáveis pela produção da peça não cuidam da venda esse papel é desempenhado pelo homem (um exemplo é Marrocos, onde as mulheres que fazem os tapetes não negociam suas vendas).

O artesanato é muito bem acolhido pelos turistas, que sempre querem levar algo típico do lugar para onde viajaram. É possível comprar de barraquinhas em lugares turísticos, mas a venda do produto artesanal não se resume a isso: existem feiras e mercados famosos espalhados pelo Brasil onde ocorre a exposição do material produzido e a sua venda. Alguns desses locais são a Feira do MASP, em São Paulo – SP, o Mercado Modelo, em Salvador – BA e a Feira de Caruaru, em Caruaru – PE.

Uma outra estratégia de venda que vem se tornando cada vez mais possível como o mundo globalizado é pela internet, de forma que deixa de ser necessário ir para determinado local para se adquirir uma peça original e simbólica da região.

IMG_1514
Roupas de chita são uma forma de reafirmação da cultura local (Créditos: Ana Flávia Cézar)

Por ser algo enraizado na cultura brasileira, o artesanato está sendo trazido cada vez mais para o mundo da modo, como foi o caso do São Paulo Fashion Week (SPFW) de  abril 2016, cujo o tema foi Mãos que Valem Ouro, trazendo uma reflexão sobre o papel da produção manual no mundo da moda e contou com a presença d’A Artesol, Artesanato Solidário, que expôs produtos inéditos.

Outro exemplo é a marca Fabiana Milazzo que, no SPFW de março de 2017, se uniu a três organizações que promovem o artesanato, o Instituto Tecendo Itabira, a ONG Ação Moradia e o projeto Casulo Feliz. A inspiração para produzir as roupas para o desfile veio da fauna e flora brasileira e um vestido longo da marca, bordado a mão, chega a demorar cerca de um mês para ficar pronto.

Políticas públicas

A elaboração de políticas públicas para o setor da Economia Criativa, com ênfase no artesanato, deve atrelar o conceito de propriedade intelectual aos campos do conhecimento tradicional e do patrimônio imaterial e compreender o artesanato como uma produção fronteiriça entre arte e mercadoria. Assim, ocorre em 2011 a criação da Secretaria de Economia Criativa, uma autarquia ligada ao Minc que durou até janeiro de 2015.

Também em 2011, sob governo de Dilma Roussef, é criado o Plano da Secretaria de Economia Criativa com o objetivo de “liderar a formulação, implementação e monitoramento de políticas públicas para um novo desenvolvimento fundado na inclusão social, na sustentabilidade, na inovação e, especialmente, na diversidade cultural brasileira”, como descrito na apresentação do projeto.

A sistematização de políticas públicas para a Cultura no país é recente começando em meados dos anos 1930, e em 1985 é criado o Ministério da Cultura. Hoje, a pasta passa por instabilidade no governo Temer. Desde que assumiu a presidência em maio de 2016, Temer argumentou pela extinção do Ministério, voltando atrás após protestos populares e o Ministério transitou por três ministros diferentes, todos pedindo demissão.

No último dia 20, o jornalista Sérgio Sá Leitão assume como novo ministro da Cultura. Pela frente, estão os desafios de corte de verbas do Minc (43% do orçamento do Ministério está bloqueado), oposição de artistas ao atual governo e a instabilidade da presidência: Temer está sendo julgado por corrupção e pode ser afastado do cargo. O ministro ainda não se pronunciou sobre a retomada da Secretaria da Economia Criativa. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s