A alma encantadora das ruas (de Bauru)

POR CAMILA PASIN, ISABELA ROMITELLI e NATHÁLIA ROCHA

Ode à cidade
                       a Bauru no seu centenário

               O verde se evola
                                                 no ar

A areia
                           branca
                                                                                       me foge entre os dedos,
                                                                             poalha de estrelas
                                                                          que o céu destila.
                              Caminhos se bifurcam,
                                                    artérias
                                                                                           de um coração multiplicado.
             Voo pelas ruas
                                                                   com os olhos
                                                                                        brilhando de memórias,
 Árvores
                             e casas
                                  e homens
                                                                         mergulham por mim a dentro.
                             Os rastros de meus pés
            permanecem,
                  alheios ao tempo
                                       que se escoa.
                                                     Os limites se esvaem
                                  da bússola
                                                      ou da palma da mão.
               Em meu peito
                                pulsa
                                                               o pulmão do universo.

 

O tempo traz mudanças, nada na vida da cidade é para sempre. O poema de José Carlos Brandão destaca o caráter efêmero da evolução urbana de Bauru e dialoga com as ideias de João do Rio, que em seu A alma encantadora das ruas – que inspira o título desta fotoreportagem – já dizia que a única coisa que persiste após passados os séculos é o amor das ruas.

Da Araújo Leite, primeira via aberta no coração da cidade, à construção do auditório Vitória Régia. Da canalização do Córrego das Flores sob a hoje tão movimentada Avenida Nações Unidas, ao calçadão e pólo comercial da Batista de Carvalho. Dos jardins do Paço Municipal, ao hoje extinto Cine Bauru da Primeiro de Agosto. Os anos se passaram, a modernidade bateu à porta e os horizontes da cidade sem limites se expandiram. A alma das ruas, no entanto, permanece viva.

As fotos antigas utilizadas foram concedidas pelo Museu Histórico de Bauru.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s